Loading…
This event has ended. Visit the official site or create your own event on Sched.
                                                                     Compre AQUI os seus bilhetes para os ESPETÁCULOS E MESAS DE AUTORES do Folio 2016                                                                                                          
View analytic
Wednesday, September 28 • 21:00 - 22:00
Brecht: piano e voz – Francisco Sassetti e Luís Madureira

Sign up or log in to save this to your schedule and see who's attending!

Actualidade de Brecht

Por alguma razão, que se prende com um mundo em que tudo muda para que tudo fique cada vez mais na mesma, a obra de Brecht e principalmente o seu modelo interventivo, não perdem interesse, nem actualidade, nem capacidade de mobilizar as novas gerações ( sempre mais generosas e disponíveis para a mudança desejada).

 O teatro que ele definiu como épico para contrariar em absoluto a catárse aristotélica tem um lugar, quem sabe se cada vez maior e mais necessário, no mundo e no Portugal de hoje. Quando as primeiras peças de Brecht e os seus textos teóricos foram publicados em Portugal, em finais da década de 50 e princípios de 60, havia censura, Brecht era autor proibido, mas isso aumentava o sucesso e as vendas (ainda que subreptícias).Não podia haver espectadores, mas havia leitores, hoje uma raça em extinção. Fala-se de teatro, mas vê-se menos do que se fala, e quanto a ler...estamos conversados. Tornou-se verdadeiro o preceito futurista de Pessoa de que ler é maçada!

Aproveito e deixo aqui a citação do poema Liberdade que me lembro, noutro milénio, de ter ouvido a João Villaret:

 

“Ai que prazer

Não cumprir um dever,

Ter um livro para ler

E não o fazer!

Ler é maçada.

Estudar é nada.

O sol doira

Sem literatura

...

Livros são papéis pintados com tinta.

Estudar é uma coisa em que está indistinta

A distinção entre nada e coisa nenhuma”.

 

E por aí fora.

Este poema, na boca de Pessoa, é um exercício divertido de provocação, pois se houve alguma vez em Portugal um leitor ávido, foi ele. Leu tudo, no seu tempo, o que se podia ler: de história, religião, poesia, sem omitir os gregos e latinos, filosofia, sem omitir a filosofia hermética, teatro, fazendo de Shakespeare o seu grande modelo,enfim: até Einstein, Freud e James Joyce, tão recentes à época, constam da sua biblioteca pessoal!

Voltando à actualidade de Brecht: a primeira peça que traduzi foi A Excepção e a Regra, que depois o CITAC de Coimbra representou, com música de José Niza. E a última foi A Mãe, de colaboração com Teresa Balté. Uma e outra podem ser, ou devem ser, de novo retomadas, pois as suas lições são imperativas. Penso em especial, pois traduzimos essa canção para o Recital de Almada, n’ O Elogio do Estudo,

onde Brecht salienta, de forma veemente, pela boca da principal personagem, a absoluta necessidade do estudo. Só o estudo consistente, regular, aturado, permite a evolução: do saber, do carácter, da capacidade de intervenção, social, cultural e política.

Faz falta esta peça, neste momento, entre nós. Quem sabe se, depois do recital, o mundo do espectáculo a recupera para  novos públicos  que vejam nela, como nós vimos outrora, a grande inteligência com que Brecht aponta a necessidade absoluta de uma nova classe política que saiba o que fazer, em cada momento?

Eis o Elogio do Estudo, numa nova versão, cantável na nossa língua.

Por mim, ensinaria a cantar nas Escolas esta espécie de bandeira, contrariando o facilitismo vigente, que a todos nós prejudica e ofende.

 

Y.K.Centeno

Lisboa, 2008

 


Quem vem ao FOLIO?
avatar for Luís Madureira

Luís Madureira

Luís Madureira, tenor, nasceu em Tomar em 1955. Licenciado em Canto de Concerto pelo Conservatório Nacional, continuou os seus estudos em Londres com o professor Peter Harrison, como bolseiro da Secretaria de Estado da Cultura. É licenciado em Música/Canto pela Escola Superior de Música de Lisboa. Divide a sua atividade entre o ensino, o canto, o teatro e o cinema e o seu repertório abrange a... Read More →
avatar for Francisco Sassetti

Francisco Sassetti

Natural de Lisboa, frequentou o Curso Geral de Piano do Conservatório Nacional de Lisboa e a Escola Superior de Música de Lisboa. Ingressou no College Conservatory of Music da Universidade de Cincinnatti (EUA) onde obteve, em 1995, o Mestrado em Piano Performance. Iniciou a carreira de concertista no Teatro de São Luís em Lisboa, em 1988, e desde então tem-se apresentado a solo ou integrado... Read More →


Wednesday September 28, 2016 21:00 - 22:00
AUDITÓRIO MUNICIPAL CASA DA MÚSICA