Loading…
This event has ended. Visit the official site or create your own event on Sched.
                                                                     Compre AQUI os seus bilhetes para os ESPETÁCULOS E MESAS DE AUTORES do Folio 2016                                                                                                          
View analytic
Tuesday, September 27 • 15:00 - 16:00
Fernando Cabral Martins sobre Mário de Sá Carneiro

Sign up or log in to save this to your schedule and see who's attending!

SÁ-CARNEIRO, ORPHEU E A VANGUARDA

Mário de Sá-Carneiro é o primeiro vanguardista da poesia portuguesa. É também a alma danada de Orpheu, e faz parte, com Fernando Pessoa e Amadeo de Souza-Cardoso, do grupo dos que são vanguardistas sem serem futuristas. A poesia e a prosa de Sá-Carneiro está associada, sobretudo a partir de 1913, à Vanguarda que ele conhece, por experiência directa, em Paris. No entanto, encontram-seem Sá-Carneiro aspectos de tradição, e o Simbolismo do século XIX é para ele tão importante como o Cubismo seu contemporâneo, por exemplo. Mas não há nele uma hesitação entre o antigo e o novo, antes um conflito que se manifesta do princípio ao fim da sua obra e que nunca se resolve, mantendo vivas tendências e atitudes contraditórias. A literatura de Sá-Carneiro corresponde a sensações e ideias que não só têm a ver com formas artísticas mas também com as coisas da vida. Ele cria um género literário novo, que identifica poema, carta, confissão e sonho, tudo ao mesmo tempo. De resto, quer Pessoa quer Almada Negreiros criam também géneros novos, só deles: o Modernismo português, pode dizer-se, é fortemente criador. Para Sá-Carneiro, a imaginação é geométrica, como sempre no caso da Vanguarda. Amadeo, por exemplo, define o Cubismo como uma Dzcaligrafia mental e literáriadz, o que se pode ligar a muitas definições do Sensacionismo dadas por Pessoa por volta de 1915, Sensacionismo ao qual Sá-Carneiro e Almada Negreiros aderem. O Sensacionismo é a poética que propõe a síntese de todas as poéticas. Há mesmo em Sá-Carneiro uma síntese do belo e do incoerente: é aquilo a que chama Dzbeleza erradadz. Escreve numa carta a Pessoa: DzPara mim basta-me a beleza – e mesmo errada, fundamentalmente erradadz. Assim é que a beleza moderna é inteiramente desconhecida dos antigos. E Sá-Carneiro é, por excelência, um inventor de beleza.

Quem vem ao FOLIO?
avatar for Fernando Cabral Martins

Fernando Cabral Martins

Professor doutor de Literatura Portuguesa na Universidade Nova de Lisboa, é autor de obras de ficção, livros sobre literatura e arte portuguesa entre os quais 'Cesário Verde ou a Transformação do Mundo, O Modernismo em Mário de Sá-Carneiroe Introdução ao Estudo de Fernando Pessoa, este último distinguido com o Prémio Jacinto... Read More →


Tuesday September 27, 2016 15:00 - 16:00
ÓBIDOS LOUNGE Rua Direita, 78/86, Óbidos